Irregularidade das chuvas no Ceará provoca perca na safra de grãos

 

No início de cada ano, a Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) faz uma estimativa da colheita dos grãos ao fim da quadra chuvosa. Em 2019, o resultado verificado ao fim do período de chuvas ficou aquém da expectativa, um dos melhores índices já ansiados no Ceará.

Todavia a irregularidade das precipitações, de forma espacial e temporal entre fevereiro e maio, resultou em perda para a safra de grãos. Os fatores que ocasionaram esse cenário estão relacionados com a chuva. Na região Norte (Ibiapaba, Sobral e Baixo Acaraú) os prejuízos foram causados por excesso de precipitações. No Sertão Central, Inhamuns, Centro-Sul e Cariri, por escassez de água.

Nas regiões Jaguaribana e no Centro-Sul cearenses, a maior dificuldade é a escassez de água nos açudes. Uma matéria publicada no jornal Diário do Nordeste mostrou que em Iguatu, a perda média de milho é de 27% e a de feijão 22%, mas em Quixelô é mais elevada: milho chega a 35% e feijão, 27%.

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Iguatu Sebastião Oliveira comenta que “nos últimos oito anos de seca a região Centro-Sul tem sido a mais penalizada”. Segundo Sebastião, a perca do milho no distrito de Alencar por exemplo chega a ser maior que a metade, tendo sido a safra do feijão a mais prejudicada.

 

Fonte: Diário do Nordeste

 

Ouça a matéria com a fala do vice-presidente: