Obras públicas inacabadas se arrastam por até seis anos em Iguatu

Na cidade de Iguatu, um conjunto de obras, a maioria do Governo Federal, ainda aguarda conclusão. Centros de Educação Infantil (creches), Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), Centro de Eventos, Unidades Básicas de Saúde, Centro de Atenção Psicossocial (Caps), sede da Prefeitura, balneários e a Praça dos Redentoristas integram a lista de prédios que foram iniciados, mas seguem sem conclusão.

Alguns serviços estão paralisados há mais de seis anos. É o caso da sede da Prefeitura e do Centro de Iniciação ao Esporte. Dois projetos foram retomados, mas não concluídos: a Praça dos Redentoristas, no Prado, e o Centro de Eventos. Quatro Centros de Educação Infantil, projeto padrão do programa Pró-infância do Ministério da Educação (MEC), ainda estão com obras inacabadas nos bairros Lagoa Park, Fomento, Alto do Jucá e Varjota.

A população do Município lamenta o atraso na conclusão dos projetos. “Ao menos o Centro de Iniciação ao Esporte já poderia estar funcionando, beneficiando os jovens, estudantes, mas a obra ficou no meio do caminho”, lamenta a moradora do bairro Novo Iguatu, Fátima Gomes.

No Lagoa Park, as famílias esperam a conclusão do Centro de Educação Infantil, cujos serviços estão 80% realizados. “Seria muito bom para os nossos filhos estudar lá”, diz a dona de casa, Marta Lima. O sonho de ver creches concluídas e funcionando é alimentado também por famílias de outros bairros.

O secretário de Infraestrutura de Iguatu, Tácido Cavalcante, explica que a atual administração encontrou várias obras paralisadas ou em andamento, mas que muitas já foram retomadas e concluídas. “De quatro unidades de Saúde já concluímos três, mas a da localidade Gameleira, que está paralisada, será retomada em breve. O nosso esforço é concluir todas as obras”. Ele lembra que a obra da Praça dos Redentoristas será retomada, pois a empresa espera aprovação de medição de serviços realizados para liberação de parte dos recursos.

“O Centro de Iniciação ao Esporte exige uma adequação de orçamento e um novo plano de trabalho para ser aprovado pela Caixa Econômica Federal”, pontua o secretário da Pasta.

Dois balneários nas localidades de Barra e Serrote também estão com obras não concluídas. O secretário de Infraestrutura justifica que o do Serrote apresentava um problema de desapropriação de área, mas que já foi solucionado, e o da Barra só faltam serviços de acabamento.

Do DN