Chuva rápida acompanhada de ventos fortes causa acidente e estragos em Quixadá

Pouco mais de 20 minutos de chuva no fim da tarde desta segunda-feira (14), acompanhada de ventanias, foi suficiente para causar um grave acidente de trânsito, estragos e alagamentos em alguns pontos críticos de Quixadá. A população da cidade foi surpreendida pelo fechamento súbito do tempo, com o surgimento de nuvens carregadas.

Em instantes o telhado da oficina de uma fábrica de ração localizada à margem da CE-265, há pouco mais de 10 km do Centro da cidade, foi arremessado a mais de 50 metros de distância, explicou o funcionário Marcos Médici, acrescentando que no momento da ventania não havia ninguém na área de conserto das máquinas e nenhum veículo cruzava a rodovia estadual, em péssimo estado de conservação.

O telhado de alumínio com estrutura metálica obstruiu a CE-265 no acesso à Serra do Estevão. Os veículos utilizavam o acostamento para seguirem viagem.
A estrutura do telhado da oficina ficou totalmente retorcida com a força do vento.

Todavia, de acordo com a vizinhanças da fábrica um motociclista que seguia pela CE no sentido da Serra do Estevão se chocou contra a estrutura metálica que obstruiu as duas vias de tráfego. Ele foi socorrido à Unidade de Pronto Atendimento (UPA). A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) foi acionada para sinalizar o trecho. Havia risco de mais acidentes.

Alagamentos

Apesar de pouco mais de 20 milímetros de precipitação na área urbana, conforme o volume acumulado no pluviômetro instalado no campus da Feclesc, a Avenida José Caetano e ruas no entorno do terminal rodoviário de Quixadá voltaram a alagar.

A chuva voltou a alagar o trecho da Av. José Caetano próximo do terminal rodoviário de Quixadá.
As ruas vizinhas também alagaram com a chuva de aproximadamente 20 minutos.
Os moradores isolaram uma das vias da Av. José Caetano para evitar o alagamento das suas casas e acidentes.

Também houve acúmulo de água na Rua Basílio Pinto e defronte à residência de estudantes da Feclesc, no bairro Planalto Universitário, onde moradores registraram avarias nos telhados.

Na Rua Estudante José Enéas Monteiro Lessa, defronte a residência universitária da Feclesc, também houve acúmulo de água.

Do Diário Sertão Central